Páginas

Mostrando postagens com marcador Eleições 2014. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Eleições 2014. Mostrar todas as postagens

domingo, 23 de novembro de 2014

Edson Veinho é reeleito presidente da Associação dos Moradores do Newton Pereira

Sem concorrência, Édson obteve 92% dos votos.


Presidente eleito Édson "Veinho"

Nesse sábado, 23, ocorreu a eleição da diretoria da Associação dos moradores do bairro Newton Pereira, o pleito aconteceu na sede da associação e teve início às 17h. Sem chapa de oposição, Edson foi reconduzido ao cargo com 92% dos votos válido. 

121 sócios compareceram no local de votação, desse montante, 114 votaram em Édson e 07 votaram nulo. 
O presidente eleito promete continuar seu trabalho na associação do Newton Pereira, visando diminuir o abismo entre a comunidade do bairro e o poder público.

sábado, 1 de novembro de 2014

Juiz eleitoral de União solicita mídia do programa AG Noticias que denuncia compra de votos em União

Áudio que ouvintes que denunciaram a negociação de votos para o deputado Marquinhos Madeira (PT), foi enviado para Ministério Público onde deverá ser investigado.

Foto: Ivan Nunes


Após ter conhecimento das denúncias de ouvintes sobre compra de votos em União dos Palmares por ouvintes do programa AG notícias da Rádio AG FM, o Juiz eleitoral da 21ª zona eleitoral, Dr. Antonio Rafael Wanderley Casado solicitou o áudio da gravação do programa e enviou para Ministério Público onde o procurador geral eleitoral deverá investigar, pois o deputado denunciado possui mandato e possui fórum privilegiado.  

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Dilma fica e deixa o PT junto

Dilma é reeleita presidenta do Brasil com votação esmagadora no Nordeste e o reconhecimento de Minas, terra de Aécio.


Dilma venceu em 15 estados e perdeu em 13, tendo apoio total da dos estados do nordeste, no entanto o resultado apertado das eleições mostra que metade do Brasil não aprovou o governo e é necessário maior empenho da presidenta no segundo mandato.  

Acabado as eleições, agora é desmanchar os palanques e pensar no desenvolvimento de nosso país.
Viva a democracia!

sábado, 25 de outubro de 2014

Termina o horário eleitoral e continua as brigas nas redes “Anti-Sociais”



Enquanto o mundo aposta no potencial das redes sociais como forma de estabelecer contatos, criar relacionamentos e compartilhar conteúdo, alguns seguem o fluxo contrário, em uma tentativa de criticar o uso abusivo dessas ferramentas. São as chamadas “redes anti-sociais”.

Depois da febre das redes sociais, chegou a vez delas: as polêmicas redes anti-sociais. Se alguns amam encontrar amigos, estabelecer contatos e compartilhar tudo com os outros, tem gente que faz exatamente o contrário. Com a mesma tecnologia das redes de relacionamento que todo mundo já conhece, o efeito é bem diferente. As redes anti-sociais servem para não encontrar pessoas, não compartilhar nada e ainda reforçar a sua lista de inimigos.


Fonte:http://viniciuspinto.com/midias-sociais/redes-anti-sociais-a-contramao-das-redes-sociais/#ixzz3H7S7DBve

Local de votação – União dos Palmares

Eleições 2014


COLEGIO SANTA MARIA MADALENA
Endereço: Rua Tavares Bastos, nº 206, centro.
Seções: 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 32, 33, 34, 35, 36, 37, 38, 43, 44, 45, 46, 47, 48, 49.

COLEGIO DR. MARIO GOMES DE BARROS
Endereço: RUA JARDIM BRASILIA, nº 378, CENTRO.
Seções: 39, 40, 41, 52, 53, 54, 55, 56, 57, 58, 69, 85, 86, 89, 91, 93, 94.

GRUPO ESCOLAR DR JORGE DE LIMA
Endereço: Rua Tavares Bastos, s/nº, centro.
Seções: 50, 51, 59, 60, 61, 62, 186

EDUCANDARIO OLIMPYA AUGUSTA DOS SANTOS
Endereço: Rua coronel Jose bezerra Montenegro, nº 105, centro.
Seções: 74, 75, 76, 77, 111, 112, 113, 114.

ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL FERNANDO JUAZEIRO
Endereço: av. Dr. Hermano Plech, nº 488, centro.
Seções: 162, 177, 181, 193.

COLEGIO DE ENSINO FUNDAMENTAL MONSENHOR CLOVIS DUARTE DE BARROS
Endereço: Rua jardim Brasília, s/nº, centro.
Seções: 30, 31, 42, 64, 65, 66, 67, 72, 73, 95, 110, 151, 178, 180, 182, 185, 187, 190.

ESCOLA ESTADUAL ROCHA CAVALCANTE
Endereço: Rua Correia de Oliveira, nº 200, centro.
Seções: 71, 78, 79, 80, 81, 82, 83, 102, 104, 135, 136, 142.

COLEGIO JOSE CORREIA VIANA
Endereço: Rua Santa Maria Madalena, nº 226, centro.
Seções: 126, 138, 139, 140, 145, 146, 148, 149, 174, 176.

ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL FILOMENA MEDEIROS
Endereço: Rua Edgar Sarmento, nº 217, centro.
Seções: 68, 70, 141, 143, 152.

ESCOLA MUNICIPAL SALOMÉ DA ROCHA BARROS
Endereço: Rua Lindolfo Gomes Cabral, nº 590, Roberto Correia Araújo.
Seções: 96, 97, 98, 99, 100, 101, 109.

ESCOLA ESTADUAL CARLOS GOMES DE BARROS
Endereço: av. João Lyra Filho, s/nº, Roberto Correia Araújo.
Seções: 123, 125, 127, 128, 130, 131, 133, 134, 144, 150, 179, 183, 189 e 400*.

ESCOLA MUNICIPAL MARIA LEAL FEITOSA
Endereço: Rua Edgar Sarmento, s/nº, centro.
Seções: 167, 170, 171 (*).

ESCOLA ESTADUAL PAULO SARMENTO
Endereço: Rua senador Rui Palmeira, s/nº, COHAB velha.
Seções: 63, 172, 173, 175.

ESCOLA MUNICIPAL LAURA PEREIRA DA SILVA
Endereço: Rua Cupertino dos Prazeres, s/nº, COHAB nova.
Seções: 120, 121, 122, 401* e 402 (**).

 (*) todas as seções deste local foram agregadas a seção 167.
(**) Todas as seções deste local foram agregadas à seção 120.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

VERGONHA NA CARA

Por Candice Almeida



Abate, chateia, entristece e cansa… A cada eleição geral o saldo é debitado na conta do Nordeste, como se aqui estivessem as pessoas mais perversas de todo o país. Como é possível tanta insensibilidade, tanto ódio e tanta hipocrisia?

Não quero generalizar, claro. Mas é difícil manter-se inatingível diante de tanto veneno destilado direta ou indiretamente. Falo sim de todas as manifestações nas redes sociais, mas também falo de alagoanos que encontro e que acham graça em repetir “tem chovido tanto para não faltar capim em Alagoas”.

Ora, como esperar respeito de outros estados, se nem o próprio alagoano se respeita?

É verdade que ostentamos péssimos índices na educação, que muitos alagoanos são analfabetos e não foram ensinados a pensar na coletividade, e mesmo que tivessem sido não deixariam de pensar na própria barriga. Muitos alagoanos, em especial os que não foram educados adequadamente, não podem ser cobrados por suas escolhas erradas. Devemos cobrar daqueles que pensam que tiveram uma educação adequada, mas fazem suas escolhas pautadas em favores e benefícios pessoais, seja dele mesmo ou de algum conhecido.

Entendo que estando em Maceió muitos não compreendam a realidade do povo pobre que vive longe da capital e sua necessidade por tudo, desde água e comida, até saúde e educação, faltando muitas vezes até a própria dignidade. E por entender o sofrimento de muita gente, que a sociedade só lembra que existe quando faz suas escolhas pensando na própria fome, as “escolhas erradas”, é que jamais poderei conceber a generalização de chamar o alagoano de burro.

Não, ele não é burro e nem se alimenta de capim. Antes fosse, assim não venderia “seu valor” – o voto – nas eleições. Burros são os outros, os que têm boas opções, os que se candidatam, os que conseguem mandato, a população politicamente esclarecida, estes sim, estes assumem-se como asnos. Se fossem tão espertos cumpririam seu papel.

Os que têm boas opções não votariam em palhaços e subcelebridades para protestar contra o sistema que os rege, oportunizando a políticos corruptos conseguirem o “coeficiente eleitoral” necessário para serem eleitos; o político agiria com hombridade, respeito e dedicação, produziria leis que amparassem os ignorantes; a população esclarecida dedicar-se-ia a fiscalizar a atuação de seus representantes, pensando mais no coletivo e menos em si próprio.

Se cada um fizesse a sua parte, não haveria gente para ser chamada de burra!

Mas é muito conveniente por a culpa nos outros, no nordestino, no alagoano. Quando vamos parar de por a culpa nos outros e lutar para que todos sejam iguais, para que todos tenham suas necessidades básicas à saúde, à educação e ao trabalho atendidas, para que pensem por si, para que decidam sem o peso da fome e da miséria?

Neste dia, caro leitor, as escolhas de todos poderão ser julgadas com justiça e sem preconceito.

Ao brasileiro e alagoano preconceituoso, desejo vergonha na cara, para se respeitar e se fazer respeitado!!!

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Começou o horário eleitoral do segundo turno


Sujo falando do mal lavado
Nas redes sociais os internautas focam as mazelas e esquecem as propostas dos candidatos. Esperamos ouvir propostas dos candidatos no segundo turno.

sábado, 4 de outubro de 2014

Amanhã votarei pela sétima vez para presidente

É hora de avaliar quem fica e que segue através do voto consciente


Nenhum dos meus candidatos apertou a minha mão, nem me ofereceu nada pessoal em troca do meu voto, avaliei a maioria e optei pelo menos ruim, fato que é realidade na maioria dos estados brasileiros.  Nossos representantes têm perdido a credibilidade e o respeito, Estão tentando tornar o ato de votar em um negócio, mas não podemos perder a esperança, nem deixar de votar, pois o voto é nosso único instrumento de mudança, é preciso fazer bom uso dele.

Os candidatos  passam a maioria de seu tempo apontando os defeitos dos outros, são poucos os que apresentam propostas e os eleitores seguem no mesmo ritmo de ataque aos  candidatos que não estão em suas preferências. Raramente ouvimos uma discussão de propostas e plano de governo, o foco é apontar a desgraça do outro.

Custo acreditar que as pessoas estão tão miseráveis, a ponto de votar em troca de cinqüenta reais em candidatos acusados de roubo, pistolagem, corrupção, entre outras mazelas. É hora de darmos um basta a tudo isso e fazer uma limpeza nas em todas as esferas. Todo mundo conhece quem é quem, não dá para se enganar e vender a dignidade e a vergonha que resta.

Não venda seu voto, denuncie quem estiver fazendo cadastro, não vote em candidato que não conhece e não tem compromisso com sua cidade.
Ligue E DENUNCIE 3281 3627 (JUSTIÇA ELEITORAL)

terça-feira, 30 de setembro de 2014

PERFIL ELEIÇÃO 2014: RENAN FILHO

Renan Filho

José Renan Vasconcelos Calheiros Filho, mais conhecido como Renanzinho ou Renan Filho, nasceu no dia 8 de outubro de 1979, 34 anos, na cidade de Murici, na região da Zona da Mata alagoana. Casado com Renata Calheiros e pai do pequeno Davi Calheiros, com apenas dois anos.

Renan Filho vem de família tradicional da política alagoana, filho do presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL), e de Maria Verônica Rodrigues, artista plástica. Seu avô Olavo Calheiros, foi prefeito da sua cidade natal, Murici. É sobrinho de Olavo Calheiros (PMDB-AL), deputado estadual, e Renildo Calheiros (PC do B), prefeito de Olinda – PE, ambos foram deputados federais por Alagoas e Pernambuco respectivamente.

Renan Filho, estudou em Maceió e em seguida na Capital Federal, onde terminou o ensino médio e cursou a faculdade de Economia, mostrando a sua forte ligação política com o pai, foi também líder estudantil na Universidade de Brasilia.

No ano de 2004, Renan deixa Brasília e os corredores do Congresso Nacional e retorna a Murici, onde no ano seguinte, seria eleito prefeito com 6.256 votos. Já em 2008 foi reeleito prefeito com 9.121 votos válidos. A cidade de Murici tem ao todo aproximadamente 14.000 eleitores. Foi eleito em 2008 Deputado Federal com 140.180 mil votos, sendo assim, o mais votado da história do Estado de Alagoas.

Como Deputado Federal foi eleito presidente da Comissão Especial da Lei Geral da Copa e foi membro titular da Comissão Especial que discutiu o Plano Nacional da Educação (PNE).

Eleições 2014

Renan Filho é o nome indicado pelo PMDB-AL para concorrer a principal cadeira do Palácio Zumbi dos Palmares e está acompanhado pelos partidos: PT, PCdoB, PDT, PTB, PTdoB, PHS, PSC, PTN, PROS, PEN, PSD, PV e PPL. 15 partidos o que lhe dará ao todo aproximadamente 13 minutos de tempo de TV, o que é de extrema importância para a coligação.

A “Frente de Oposição” que até pouco tempo era intitulada de “Chapão” decidiu por desligar alguns partidos que não iluminavam tanto o céu estrelado do grupo: PRTB e o PMN, que agora fora da Frente, formará uma chapa “puro sangue”, para disputar as eleições em Alagoas.

Renan Filho tem duas cruzes sobre seus ombros, que serão extremamente exploradas pelos seus concorrentes diretos: seu pai de sangue e sua terra mãe.

Pai de sangue

Um grande desafio do Renan Filho é a desvinculação total de dependência política do seu pai, Renan Calheiros, atual presidente do Senado e grande articulador político, tanto estadual como nacionalmente, como diria um grande amigo jornalista, o maior enxadrista que Alagoas já teve.

Renan Calheiros envolvido em diversas polêmicas no Senado, por sua forte influência e ligação ao governo petista. No ano passado, o presidente do Senado, teve um momento complicado, quando centenas de pessoas foram às ruas, antes das manifestações populares de junho, pedindo o seu afastamento da presidência da Casa.

Renan Calheiros tinha sido acusado pelo então procurador-geral da República, Roberto Gurgel, de ter cometido vários crimes, entre eles o de peculato, falsidade ideológica, falsificação de documentos, e de ter desviado dinheiro público para pagar pensão a um filho, ainda na época em presidiu o Senado, nos anos de 2005 e 2007.

Terra mãe

O outro calcanhar de Aquiles, é a sua terra mãe, a pequena cidade de Murici, na Zona da Mata alagoana, que acaba de ser incluída na região metropolitana de Maceió.

Murici sairá dessa eleição mais conhecida do nunca. Bastará somente a competência das equipes de marketing dos candidatos para que todos os alagoanos conheçam o município.

Desde o princípio, quando a especulação em torno do nome de Renan Calheiros e Renan Filho constavam nos principais sites e jornais como possíveis candidatos ao governo de Alagoas, que os seus adversários políticos insistem ligar a situação socioeconômica de Murici a uma possível desastrosa gestão dos Calheiros frente da Prefeitura da cidade, na qual tem o domínio político há 18 anos, principalmente nos anos de 2005-2010, quando Renan Filho foi prefeito.

O que se ouve nos bastidores políticos é que as equipes de marketing dos demais candidatos irão nas ruas e povoados de Murici para mostrar um status deficitário na terra natal do clã Calheiros. E que os processos no qual Renan Filho é alvo de inquérito que apura atos de improbidade administrativa e crimes de responsabilidade previstos na Lei de Licitações (STF – Inquérito Nº 3272/2011 e TJ-AL – Processo Nº 0000197-08.2008.8.02.0045) serão explorados exaustivamente.


O desafio do Renan Filho e sua equipe será o de contrapor, mostrar que a realidade de Murici é diferente do que, provavelmente, as coligações adversarias mostrarão a população de Alagoas.

Fonte:  Blog do Marques

Próximas postagem, perfil do Benedito de Lira e Mario Agra

PERFIL ELEIÇÃO 2014: BENEDITO DE LIRA

Benedito de Lyra


Benedito de Lira, também conhecido como Biu de Lira, nasceu no dia 1º de maio de 1942, 72 anos, na cidade de Junqueiro, no Agreste alagoano, casado, de família humilde, é advogado e começou cedo sua vida política.

Foi vereador em Junqueiro (1966-1970), vereador em Maceió duas vezes (1972-1976 e 1977-1982), foi Deputado Estadual três vezes (1983-1987, 1987-1991 (Constituinte) e 1991-1995), Deputado Federal três vezes (1995-1999, 2003-2007 e 2007-2011) e é Senador da República (2011-…).  Presidiu a Câmara de Vereadores de Maceió e a Assembleia Legislativa.

Passou pelos partidos, Arena (partido base da Ditadura Militar no Brasil), PDS, PFL, PTB e PP, no qual é o presidente estadual da sigla em Alagoas.

Eleições 2014
Biu de Lira, pode-se dizer, que é o candidato mais conhecido entre os postulantes ao Governo do Estado. Historicamente foi o candidato mais votado do Estado, quando em 2010 atingiu 904.345 votos, numa eleição acirrada com Heloisa Helena e Renan Calheiros, pelas duas vagas ao Senado Federal.

Em 2006 foi investigado e absolvido pela CPI dos Sanguessugas, que investigou uma suposta participação de parlamentares com a máfia das ambulâncias, porém sua absolvição veio por falta de provas, conforme o relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito.

Biu conseguiu a indicação do partido para concorrer ao governo de Alagoas, sentindo dificuldade na formação de chapa, pois esperava ser o candidato indicado pelo governador Teotônio Vilela Filho, que no frigir dos ovos, não o apoiou e lançou uma candidatura própria do seu partido PSDB, deixando o Biu de Lira como um dissidente do bloco governista.

Formam a base de apoio de sua candidatura, além do seu partido PP, os partidos: PSB, PR, PSL, PPS, PSDC, PRP, DEM e Solidariedade.

Benedito, tem dois pontos que serão extremamente exploradas pelos seus concorrentes diretos: seu filho Artur Lira e Doleiro Youssef.

Artur Lira
Comentado em todas as conversas políticas do Estado e nas principais observações dos analistas políticos dos sites mais importantes, Artur Lira será sem dúvida o maior problema de sua campanha e, se eleito, do seu mandato.

Artur Lira foi acusado de ser um dos cabeças que desviaram aproximadamente 300 milhões dos cofres da Assembleia Legislativa de Alagoas, revelado na operação Taturana.

Doleiro Youssef

Benedito de Lira, foi incluído no rol de relações com o doleiro Alberto Youssef, em reportagem da revista Veja. Youssef foi acusado pela Operação Lava-Jato de ter esquematizado a lavagem de dinheiro que envolve mercado clandestino de câmbio, onde fora movimentado cerca de R$10 bilhões.

O grupo que teria sido comandado pelo doleiro, foi acusado de lavar dinheiro para o tráfico de drogas e de desvio de recursos públicos. Entre os políticos alagoanos que foram relacionados ao Youssef, estão Artur Lira e Fernando Collor de Melo.


O desafio do Benedito de Lira é de mostrar que tem pleno domínio da sua campanha e que terá, assim, domínio da sua gestão, se eleito for. Responder a altura os ataques que sofrerá e mostrar que sabe e é capaz de ir além de uma dancinha de forró.
Fonte: Blog do Marques

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Denuncie a compra de voto

Como fazer?


PRIMEIRO Identifique o ato de CORRUPÇÃO: Oferecer QUALQUER VANTAGEM em troca de VOTO é CRIME.
PRESTE ATENÇÃO: Não é preciso que o eleitor chegue a receber a vantagem (dinheiro, tijolo, dentadura, material de construção, gás de cozinha, medicamentos etc.), basta que o candidato ou seu cabo eleitoral ofereça qualquer vantagem em troca do voto.

SEGUNDO Tente coletar provas para demonstrar o ocorrido. Pode ser por meio de testemunhas, fotos, filmagens, gravações, material impresso etc.
TERCEIRO FAÇA SUA DENÚNCIA: Procure diretamente o PROMOTOR ou o JUIZ ELEITORAL de sua cidade.
Em União dos Palmares ligue  (82) 3281 2580

Denuncie e cobre resultados. Não acredite nas falsas promessas. Muitas coisas oferecidas em troca de voto já são direitos do cidadão. Não tenha medo: não é necessário se identificar. Mas para facilitar a apuração dos fatos denunciados, é essencial que a denúncia (tecnicamente chamada de representação) ofereça a maior quantidade possível de informações, como a época e o local em que o fato ocorreu; se possível, nome e endereço dos suspeitos da conduta ilícita e telefones de contatos que
possam auxiliar na investigação. A ausência de identificação completa dos envolvidos ou das testemunhas não impedirá a apuração dos fatos. Se desejar prestar esclarecimentos aos Promotores Eleitorais, o autor da representação poderá se identificar.

OUTRAS FORMAS DE DENUNCIAR
Procuradoria Regional Eleitoral  Tel (82) 2121-1432
Internet www.pral.mpf.gov.br
Tribunal Regional Eleitoral  (82) 2122-7700
Polícia Federal: (82) 3216-6700
OAB Comissão de Combate à Corrupção Eleitoral (82) 2121-3207
Fonte: Cartilha da Justiça eleitoral

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Votar nulo anula eleição?

Política


Ano de eleição, começam outra vez os movimentos para votar nulo, pois “mais de 50% de votos nulos anulam a eleição”. Toda vez é igual, mas isso não é verdade. Vamos ver, começando pelo Código Eleitoral, artigo 224 da Lei nº 4.737 de 15 de Julho de 1965:

“Art. 224. Se a nulidade atingir a mais de metade dos votos do país nas eleições presidenciais, do Estado nas eleições federais e estaduais ou do município nas eleições municipais, julgar-se-ão prejudicadas as demais votações e o Tribunal marcará dia para nova eleição dentro do prazo de 20 (vinte) a 40 (quarenta) dias.”


A confusão se dá pelo termo “nulidade” logo na abertura do parágrafo. A turma lê “nulidade” e acha que é o mesmo que “voto nulo”. Não é. Vamos ver o que diz a regulamentação daquele artigo:


“3. Para fins de aplicação do art. 224 do Código Eleitoral, não se somam aos votos anulados em decorrência da prática de captação ilícita de sufrágio, os votos nulos por manifestação apolítica de eleitores. Levam-se em consideração somente os votos atribuídos ao candidato eleito e condenado em razão de ofensa ao art. 41-A da Lei nº 9.504/97.“


Viu? “... não se somam aos votos anulados em decorrência da prática de captação ilícita de sufrágio, os votos nulos por manifestação apolítica de eleitores.” Traduzindo: a nulidade a que se refere o artigo 224 do Código Eleitoral diz respeito aos votos que foram considerados nulos por problemas que os candidatos tiveram com a Justiça Eleitoral ou votos obtidos por fraude. Não considera os votos que foram anulados pelos eleitores no momento da votação.


Portanto, existem dois tipos de votos anulados: o seu, que você anulou no momento da votação, e os que a Justiça Eleitoral anulou por irregularidades do candidato ou do processo de votação. Só a maioria destes últimos pode anular uma eleição.

Fonte: Café Brasil - Luciano Pires.


quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

CCJ aprova afastamento de presidente, governador e prefeito candidatos à reeleição



O debate sobre o fim da reeleição para chefes do Poder Executivo foi retomado, nesta quarta-feira (26), durante reunião da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). A motivação foi a proposta de emenda à Constituição (PEC 48/2012) da senadora Ana Amélia (PP-RS) que determina o afastamento do presidente da República, governador e prefeito que decidirem disputar um novo mandato no cargo. A matéria acabou sendo aprovada com os votos contrários dos senadores Eduardo Suplicy (PT-SP), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), José Pimentel (PT-CE) e Romero Jucá (PMDB-RR).

— Esta é a medida mais urgente e necessária dentro da reforma política. É ética, moral e da maior relevância para o aprimoramento da democracia no país — sustentou o relator, senador Luiz Henrique (PMDB-SC).

Emenda

Originalmente, a PEC 48/2012 tornava obrigatório o afastamento destes agentes públicos candidatos à reeleição quatro meses antes do pleito. Luiz Henrique concordou com o espírito da mudança, mas resolveu apresentar emenda ajustando o início da desincompatibilização para o primeiro dia útil após a homologação da candidatura.

Fonte: Agência senado 

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

'Carnaval eleitoral' vai definir nomes para a sucessão de Vilela




Este ano o carnaval promete ser um dos mais animados dos últimos tempos. Principalmente quando se trata da esfera política, onde no calor de Momo serão decididos vários rumos eleitorais.

De Murici, vestindo o azul do tradicional Bloco “Tudo Azul”, pode sair Alagoas afora, o deputado-federal Renan Filho (PMDB) como candidato de consenso – da situação e oposição – pelo menos é o que deseja o senador Renan Calheiros (PMDB), presidente do Senado federal e um dos homens mais influentes da República.

Por outro lado, mais adepto dos forrós, típicos das festas juninas, está o senador Benedito de Lira (PP), que reafirma sua candidatura com “Téo ou sem Téo” e que parece vai descansar durante a folia, aguardando a confirmação do governador Teotonio Vilela (PSDB) em ficar no governo, presidindo o pleito.

Para o Bloco Collorido, do senado Fernando Collor (PTB) só conhece até agora (caso Teotonio fique onde está) um candidato para concorrer em outubro. A vereadora Heloísa Helena, do PSOL partido que estimula no sul do país, o bloco dos mascarados “black blocks”, mas que para alguns não possui mais fôlego para uma disputa tão pesada. José Thomáz Nonô pode ser outro nome na disputa, mesmo que prefira a disputa a governo. Caso saia ao senado terá que ter o aval de Teotonio, que já declarou desejar derrotar Fernando Collor nessa eleição.


Fonte: Tribuna do agreste

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

União dos Palmares recebe as primeiras visitas de pré-candidatos à procura de votos

O ex-governador Ronaldo Lessa visitou a família Pedrosa, foi à festa da padroeira e participou do programa mesa z, onde pediu desculpa a população por ter entregado o estado a Teotônio Vilela.



Como era esperado para 2014, começou a corrida dos pré-candidatos à procura de votos. É hora de visitar as bases aliadas ou “os currais eleitorais”.

Em União dos Palmares está difícil esta tarefa, tendo em vista a situação caótica que passa o município. O prefeito Baia liberou seus secretários para pedirem votos à vontade, todavia a grande dificuldade é convencer um eleitor na base do “tapa nas costa” de que algum candidato merece um voto.

2014 chegou e não percebemos nenhuma mudança na gestão, nem a educação que tem verba carimbada tem pagado os servidores conforme o calendário do mês trabalhado.

Em entrevista ao mesa Z, Ronaldo Lessa que vem perdendo  a força política, após três derrotas consecutivas, orientou o prefeito Carlos Alberto Baia, a no mínimo dá uma satisfação ao povo que o elegeu, “Beto não pode repetir o meu erro quanto derrotei e quebrei as correntes da forças dos atrasos, representadas pelos usineiros e após dois mandatos devolvi a administração para o atual governo, Téo Vilela” disse.

Portanto, precisamos ficar atentos, pois a partir de agora muitos candidatos apareceram em União de para quedas à procura de votos, é necessário ouvir com atenção o que cada um fez e/ou deixou de fazer quando teve oportunidade. É hora de avaliar e darmos a resposta nas urnas.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Candidatos e eleitores devem ficar atentos às regras da Justiça Eleitoral

O ano eleitoral começou e, com ele, um calendário voltado para o pleito que ocorrerá em outubro deve começar a ser observado por candidatos e eleitores. Desde o dia 1º, por exemplo, diversas regras da Justiça Eleitoral já estão valendo, fixando prazos e proibições para quem for disputar as próximas eleições.

Desde o dia 1º a Administração Pública está proibida de distribuir bens, valores ou benefícios gratuitamente, exceto em casos de calamidade pública, situações de emergência ou programas sociais cuja execução orçamentária já esteja prevista. Esses programas, inclusive, não podem ser executados por entidades nominalmente ligadas a candidatos, mesmo que já estejam em andamento.

Os aumentos concedidos a servidores públicos ficam restritos à recuperação do poder aquisitivo deles a partir do dia 8 de abril. Aos agentes públicos fica vedada a possibilidade de rever a remuneração desses servidores para além das perdas inflacionárias no ano eleitoral a partir dessa data.

A presidenta Dilma Rousseff, os ministros e chefes de Poderes também ficam proibidos de fazer pronunciamento em cadeia de rádio e televisão a partir de 5 de julho. Esse tipo de pronunciamento só poderá ser feito em casos de urgência e extrema relevância, que serão definidos pela Justiça Eleitoral.


Fonte: Agência Brasil

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Teotonio Vilela anuncia que não será candidato nas eleições de 2014

Segundo ele, decisão foi tomada para reformar compromisso com Alagoas. Governador ficará no mandato até o dia 31 de dezembro deste ano



De forma surpreendente, durante o café da manhã com a imprensa no Palácio Floriano Peixoto, o governador de Alagoas, Teotonio Vilela Filho (PSDB) anunciou, na manhã dessa segunda-feira (6), durante a apresentação do balanço das ações do seu governo em 2013 e das projeções para 2014, que ele não sairá candidato durante o pleito eleitoral deste ano, permanecendo no governo do Estado até o último dia do seu segundo mandato.

Segundo o governador a decisão foi tomada nos últimos dias, mas a ideia não o deixa fora do processo político previsto para acontecer no segundo semestre de 2014. "Tomei essa decisão diante dos esforços que foram feitos nos últimos anos em prol do desenvolvimento de Alagoas. O estado avançou muito durante este dois mandatos e diante do compromisso de fé que tenho com o povo alagoano decidi permanecer no governo até o final de 2014. No entanto, isso não me deixa fora do processo político. Irei trabalhar bastante para ajudar meu grupo político no embate previsto nestas eleições", disse Teotônio Vilela.

Ao ser perguntado se o grupo político do governo já possui nomes para eleições deste ano, Teotônio Vilela disse que a chapa será formada após reuniões entre correligionários e integrantes dos partidos aliados. "Essa é uma decisão que será tomada com calma. O que posso adiantar é que temos bons nomes para disputa e todo o trabalho feito durante esses 7 anos para o povo alagoano avaliar", completou o governador ao declarar que "2014 é o ano mais importante da sua carreira política".

O anunciou de não sair para disputa eleitoral em 2014 foi uma surpresa para a imprensa alagoana porque Teotônio Vilela estava cotado para concorrer ao Senado.