Páginas

Mostrando postagens com marcador HISTORIAS DA POLITICA PALMARINA. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador HISTORIAS DA POLITICA PALMARINA. Mostrar todas as postagens

sábado, 24 de abril de 2021

UNIÃO: ORGULHO E VERGONHA NO ÚLTIMO MEIO SÉCULO.

HISTÓRIAS DA POLITICA PALMARINA
União precisa ser, também, a terra da Josefa, do Cícero, do Antonio, do João, do Marcelo...



Gilson Monteiro, Jornalista Palmarino

  • Nos últimos 50 anos passaram pela prefeitura de União dos Palmares 15 prefeitos. Meio século de gestores de todas as ideologias e partidos que deixaram um saldo minguado de realizações. Tão minguado que, em pleno século 21, candidatos ainda usam adjetivos como “mudança” e “avanço” em seu marketing de campanha.
    Obviamente que correligionários, puxa-sacos e apaixonados ideológicos pelas sopinhas de letras partidárias vão levantar a voz e dizer que fulano fez a praça tal, beltrano calçou um bairro, e até mesmo dizendo que minha visão é pessimista. Mas vamos por os últimos 50 anos de administração de União na mesa e verificar: O que realmente foi feito nesse meio século?
    Há meio século as precárias ambulâncias carregam doentes para a capital, seja para curar um câncer ou uma infecção intestinal.                                                                                
  • Há meio século União convive com doenças como esquistossomose, verminoses e tuberculose. Mazelas do século 17, quando a cidade foi fundada. Ou seja, nem nas doenças a cidade se “modernizou”.
    Há meio século a Santa Fé vive num estado de miséria vergonhoso, inaceitável e constrangedor para qualquer cidadão que tenha direito às três refeições diárias. Gente tratada feito bicho, cuja única diferença de um animal está no fato de que portam título de eleitor para sustentar a elite. Nada mais.
    Há meio século os grupos culturais sobrevivem sem apoio, mendigando um troco para dar uma contribuição crucial com o crescimento social do município, mas que os gestores ignoram para não modificar sua política do pouco pão e circo de péssima qualidade.                                                                                                                                     
  • Há meio século estudantes se espremem em ônibus para vir estudar em Maceió, com a agravante que nesta última década precisam pagar por isso.
    Há meio século os palmarinos vivem ou do trabalho no setor sucroalcooleiro ou do pequeno comércio, que apenas inchou, fazendo milhares de pais e mães de família ratearem meia dúzia de fregueses sem perspectiva de crescimento.
    Há meio século que os palmarinos são “empregados” por um comércio desumano, que rasga as leis trabalhistas, transformando o trabalhador numa máquina automatizada, sem folgas ou tempo para qualificação.
    Há meio séculos pré-adolescentes vivem de “carregos” na feira-livre como forma de sobreviver dignamente, perdendo a infância e juventude, e o pior, deixando a escola em segundo plano.
    Há meio século o Roberto Correia de Araújo/Vaquejada incham, se transformando, sob os olhos dos gestores, num verdadeiro mostro urbano tomado pela miséria e pela violência.

    Essas respostas são minhas, mas podem ser colocadas na boca de qualquer morador que testemunhou os 50 anos da cidade. Acho difícil discordar que mudança e avanço não estão no dicionário dos gestores de União há décadas. Por isso acho constrangedor, irônico, um verdadeiro acinte, seja qual for o grupo político falar em “mudança”, “avanço” ou qualquer outro adjetivo hipócrita do tipo.
    União não cresceu. Inchou. E “progredimos” sim, mas no pior sentido da palavra, pois já temos drogas, fome e prostituição. Nossa política nojenta de surrupiar os cofres do município inconsequente e desumanamente conseguiu “importar” o que há de pior nos grandes centros urbanos.                                                                                                                                                                                                                                         
    Chega a ser chocante constatarmos que esse cenário pertence a um município que recebeu do governo federal, via transferência de recursos, R$ 262 milhões, arredondando-se para menos, somente nos últimos 5 anos. (Dados do Portal Transparência)                                                                                                                            
  • União é, e tenho orgulho disso, a terra de Jorge de Lima, Maria Mariá e Zumbi. Mas a luta de Zumbi na Serra da Barriga, um marco nacional, precisa fazer parte do nosso passado, e não permanecer se repetindo no presente das periferias miseráveis de União. A Nega Fulô precisa se transformar de vez em poesia, e não permanecer nas cozinhas nada literárias da atual elite que ainda não se deu conta da Lei Áurea. E para isso, é preciso termos pelo menos, um naco da inteligência e caráter que teve nossa imortal Maria Mariá.                                                                                                                                 
    União precisa ser, também, a terra da Josefa, do Cícero, do Antonio, do João, do Marcelo, do Sebastião, da Madalena e de tantos outros que estão escrevendo o futuro de uma terra que ainda não conheceu, de fato, a liberdade.

    P.S.: Para os desavisados, sou palmarino, mas voto em Maceió. Não sou nem azul nem do encarnado!  Gilson Monteiro.
               Artigo publicado em  setembro de 2012


domingo, 11 de abril de 2021

Eleições em União: do Ilariê ao Enfica

 Histórias da política palmarina

Foto de arquivo Iran Menezes

Em 1988 o programa Xou da Xuxa bombava na TV brasileira. Acertadamente, marqueteiros políticos aproveitaram o “xuxesso” e transformaram o hino da Rainha dos Baixinhos em Jingle político do candidato Iran Menezes, que, além do hino, contava também com apoio do deputado estadual Afrânio Vergetti.


Ganhando vida própria, não sei por que o “magrinho de ouro” desagradou o deputado, aí, para sua sucessão, houve uma junção. Manoel Gomes de Barros lançava José Praxedes, ex-assessor, e para poder derrubar o prefeito das praças e o mais popular da zona rural tinha que haver uma junção poderosa, então os Vergetti indicam Jorge Vieira para vice. Só assim poderiam derrotar o candidato apoiado pela prefeitura. Após as eleições de 92 aconteceu um racha naquela “união”; então, em 96, Afrânio Vergetti resolve voltar à prefeitura concorrendo contra José Pedrosa e Iran, agora apoiados por Mano, em uma eleição complicada e bastante violenta.

Em 2000, Mano apoia a reeleição de Vergetti em “gratidão” ao apoio dado para ele na eleição para governador em 98. No meio do mandato Mano volta a apoiar José Predrosa, que da noite para o dia, em 2002, recebe de bandeja a prefeitura. De lá para cá Mano vem apoiando, ou engolindo, os apoiados pela administração municipal, foi assim com Kil, imposto por João Lyra, para vice de Pedrosa, foi assim novamente com Kil imposto por Predrosa para ser prefeito, pois Pedrosa sabia que ele (Kil) não mais se reelegeria e assim Predrosa voltava com todo gás à prefeitura via eleições 2012, mas nem tudo saiu com se esperava.


Faço essa pequena introdução para dizer que agora em 2012 temos eleições para prefeito, vice e vereadores e a junção Mano/Vergetti estará, provavelmente, de volta. Vamos refletir: quem já viu em União alguém de oposição a Mano ou a quem ele apoie dar entrevista aberta na rádio AG e ainda mais para falar sobre eleições e pior tendo o próprio Mano com adversário? Foi o que aconteceu dias atrás com o pré-candidato da família Vergetti.
Desculpem-me os candidatos, mas o que parece é que no momento do registro das candidaturas querem dar força dizendo que houve uma "união", pois, assim, dará bem mais crédito e grandeza para a chapa majoritária. Assim farão o velho discurso “resolvemos nos unir para o bem de União”. Está junção, para mim, já está bem definida. Será que ao menos a música de campanha será enfica? Acho que sim, pois essas junções só colocaram União cada vez mais enficado no buraco do coronelismo, do mandatarismo, do autoritarismo e tantas outras mazelas deixadas por quem sempre se uniu, na verdade, em busca de seus interesses particulares.

 

 

Sérgio  Rogério
ACORDA UNIÃO

http://acordauniao.blogspot.com/2012/05/eleicoes-em-uniao-do-ilarie-ao-enfica.html postado em 08 de maio de 2012

Leia também:

UNIÃO: ORGULHO E VERGONHA NO ÚLTIMO MEIO SÉCULO.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

Bastidores da origem do bairro Roberto Correia de Araujo

Histórias da política palmarina

O bairro nasceu a partir de uma estratégia política de Rubinho 

Foto: União das antigas                              José Pedrosa, Rubinho, Mano e Tonheiro
Em 1975 um fato marcou a eleição para prefeito de União dos Palmares, quando Manoel Gomes de Barros (ARENA) disputou a prefeitura com José Correia Viana (MDB). Mano representava o governo e Viana à oposição.

Entenda a manobra que deu origem ao bairro:
Pesquisas populares revelavam uma certa vantagem para o candidato da oposição, fato de  preocupação para a base governista. Tendo em vista reverter esse quadro, Manoel Gomes investiu no grande comício com a presença do governador Divaldo Suruagy. O local escolhido foi as terras onde hoje está localizado o Parque Vergetão.  

Rubens Holanda e Antonio Aragão eram os locutores e animadores da campanha de Mano, os mesmos já não sabiam mais o que fazer para segurar o povo no comício, pois Suruagy estava na cidade vizinha e devido ao atraso as pessoas estavam indo embora.

Foi então que Rubinho teve uma ideia: Sem titubear, anunciou nos potentes altos falantes amarrados em caibros sob um caminhão, que o governador estava chegando e que ao chegar iria fazer a * doação dos terrenos para o povo presente, e claro, de tabela para quem votasse no candidato do governo. Mano ficou vermelho sem entender a promessa do locutor pois, não tinha conhecimento do fato, no entanto quando o Suruagy chegou,  ficou ciente da situação e acatou a ideia.

Dessa forma foram feitos mais de três mil cadastros, resultando na vitória do ex-governador Manoel Gomes de Barros para prefeito de União dos Palmares.

Portanto, “por merecimento, o bairro Roberto Correia de Araujo deveria ser chamado de Rubens Holanda, pois ele foi responsável pela estratégia política que deu a sua origem”.

* Na época não se configurava crime eleitoral as doações feitas pelos candidatos
   Rubinho também foi o fundador do Ginásio Municipal Mário Gomes de Barros.


Fonte de pesquisa: Antonio Aragão em entrevista ao programa Mesa Z.

Leia também:
construcao-da-capela-do-bairro-roberto.html

sábado, 8 de agosto de 2020

OS CARAS PRETAS

Histórias da política palmarina: 

Em União, saíram “Os Caras Pretas” e hoje, a grande maioria dos políticos da nossa cidade são “Caras Pálidas”. Políticos sem ideologia, sem formação política, sem compromisso e SEM VERGONHA NA CARA.




Quando assumiram o poder em 1964, os militares para restringir as articulações políticas da oposição, extinguiram o pluripartidarismo, em 1965, pelo ATO INSTITUCIONAL NÚMERO DOIS e ATO COMPLEMENTAR NÚMERO QUATRO, estabelecendo o Bipartidarismo no Brasil, deixando os outros partidos na ilegalidade,

Foi então que surgiram a ARENA (Aliança Renovadora Nacional) e o MDB (Movimento Democrático Brasileiro), partidos que definiam a situação e a oposição.

Em União, como em outras cidades; esses dois partidos eram muito bem divididos. A Arena tinha a mão forte dos militares e a subserviência dos seus filiados em troca dos benefícios do poder. Enquanto o MDB era determinado pelos inconformados com o poderio da situação. Os oposicionistas.

Na nossa cidade esta situação dividia amigos e familiares, numa guerra política desastrosa e inconsequente.

Na minha infância, ficou bastante evidente esta divisão através das famílias Gomes de Barros na ARENA e os Vergeti no MDB. Isto era uma loucura! Esses Grupos faziam com que a população se dividisse e se enfrentassem no campo das discussões políticas e até no braço mesmo. Na verdade este vínculo com as famílias eram tão fortes que sobrepunha à questão ideológica.

 

A questão social ficava prejudicada por esta divisão, pois a separação da sociedade palmarina era explicita, ou seja; que estava em um lado não poderia se relacionar com o outro. As amizades e até os casamentos, era de bom gosto se fosse entre os partidários. Quem não era do mesmo partido era chamado de “CARA PRETA”.

No período das campanhas políticas era um inferno, as pessoas se tornavam inimigas. Os carros de sons que anunciavam os comícios e que vendiam o “peixe” do seu partido convidavam os correligionários para uma noite de promessas, que geralmente nunca eram cumpridas. Os comícios era o termômetro das campanhas. A quantidade de pessoas nos comícios demostrava a força e a capacidade de aglutinação e de mobilização, dos candidatos e do partido. O comício virava um grande acontecimento. Geralmente o palanque era um caminhão, que ficava carregado de gente; com alguns autofalantes amarrados em caibros, para o som alcançar a maior distância possível e o eleitor pudesse ouvir as promessas dos candidatos.

Durante o dia era uma verdadeira agonia para a população. A poluição sonora era terrível e com músicas mal arranjadas e de péssima qualidade. Em uma rua passava um carro de som com a música: “É Mano, é Mano, é Mono; é Mano sim senhor...”; na outra: “Afrânio Vergeti, candidato a prefeito, vote nele eleitor; dessa vez União toma jeito”; eles passaram pela prefeitura de União e até agora a nossa cidade continua sem jeito.

Hoje com a pluralidade partidária, na nossa cidade, ainda tem gente que nunca deixou de acompanhar seus candidatos, em troca de empregos ou benefícios destes, quando eles chegarem ao poder. Agora a troca de partido virou moda. Todos os políticos estão arrumando em jeitinho de levar vantagem com a troca partidária.

Em União, saíram “Os Caras Pretas” e hoje, a grande maioria dos políticos da nossa cidade são “Caras Pálidas”. Políticos sem ideologia, sem formação política, sem compromisso e SEM VERGONHA NA CARA.

Lembranças do passado, Por Joaquim Maria.

Leia também: 

eleicoes-em-uniao-do-ilarie-ao-enfica