Páginas

domingo, 24 de julho de 2022

SERRA DA BARRIGA ( Jorge de Lima)

 

Serra da Barriga.                                 Foto: NM.Com
Serra da Barriga!
Barriga de negra-mina!
As outras montanhas se cobrem de neve,
de noiva, de nuvem, de verde!
E tu, de Loanda, de panos-da-costa,
de argolas, de contas, de quilombos!

 

Serra da Barriga!
Te vejo da casa em que nasci.
Que medo danado de negro fujão!

 

Serra da Barriga, buchuda, redonda,
de jeito de mama, de anca, de ventre de negra!
Mundaú te lambeu! Mundaú te lambeu!
Cadê teus bumbuns, teus sambas, teus jongos?
Serra da Barriga,
Serra da Barriga, as tuas noites de mandinga,
cheirando a maconha, cheirando a liamba?
Os teus meio-dias: tibum nos peraus!
Tibum nas lagoas!

 

Pixains que saem secos, cobrindo
sovacos de sucupira,
barrigas de baraúna!
Mundaú te lambeu! Mundaú te lambeu!
De noite: tantãs, curros-curros
e bumbas, batuques e baques!
E bumbas!
E cucas: ô ô!
E bantos: ê ê
Aqui não há cangas, nem troncos, nem banzos!
Aqui é Zumbi!
Barriga da África! Serra da minha terra!
Te vejo bulindo, mexendo, gozando Zumbi!
Depois, minha serra, tu desabando, caindo,
levando nos braços Zumbi!

 



sábado, 9 de julho de 2022

Por baixo da saia


Por Rico Ourives


Um dia me disseram que uma saia deve ser curta o suficiente afim de mostrar coisas para despertar desejo, longa o suficiente para cobrir coisas e despertar a imaginação daqueles que vêem.
A mulher que usa a mini saia deve saber caminhar, sentar e se portar com este tipo de vestimenta, não é para qualquer uma, pois entre a sensualidade e vulgaridade existe uma linha muito tenra, a mulher deve despertar o desejo de "quero mais"!

Quando vejo uma mulher com uma mini saia, algumas passam desapercebido, porém, outras despertam um desejo enorme de ver e tocar, a curiosidade natural do ser humano, de saber como é, e ainda por se tratar de algo de difícil probabilidade, imaginamos que ali está o paraíso!
Assim como a mini saia devemos em nosso trabalho deixar um gostinho de quero mais, despertar curiosidade, interesse em nossos clientes, não vendemos apenas produtos ou serviços, um vendedor de verdade vende muito mais, ele negocia qualidade de vida, sonhos, expectativas.

Você tem o que o cliente busca, basta ter a medida correta, nem mais e nem menos, se for de menos tiro o fator curiosidade, se for demais perde-se o encanto, um profissional de vendas deve ter a medida exata.
Talvez você possa estar pensando que não trabalha com vendas, pois é um dentista, advogado, auxiliar administrativo, e não tem nada a ver com vendas, correto?
Claro que não!
Todos vendem o tempo todo, vendemos nossa imagem, credibilidade, um cabeleireiro por exemplo, presta o serviço e vende produtos junto, com um creme, hidratação, sua imagem fará diferença no dia a dia.
Numa relação de namoro, tem sempre que deixar um gostinho de querer mais, ou seja, uma descoberta diária, quer fazer alguém se apaixonar por você?

Então dê a outra pessoa aquilo que ela deseja em doses pequenas, pois se tiver em grandes doses, poderá fazê-la enjoar rapidamente.
Faça seu cliente, namorado, amigo...fornecedor ou seja lá o que for, desejar o paraíso, faça ele desvendar os seus segredos passo a passo, estimule a relação ser contínua.

Quando estamos de mal com a vida usamos saia até os pés, escondemos as silhuetas  e ainda, a calcinha é feia, grande, e furada, as pernas peludas e o mau cheiro evidente as narinas menos sensíveis.
A sensualidade ainda está com as combinações de roupas, cores, modelos, calçado, cabelo, sorriso, maquiagem, perfume, forma de caminhar e o mais fatal de todos, o olhar!

Você será um arraso onde for, se for equilibrado em suas emoções, ter um ótimo marketing pessoal, caminhe com integridade (estes serão seus calçados), seja motivado e sorridente, um  profissional feliz atraí muitos novos negócios, seja carismático e cative atenção do cliente, conheça muito bem o que se faz, e o mais fatal de  todos, que seu olhar todos vejam que você tem objetivos claros e definidos, pronto!
Está aí a receita para ser um sucesso onde for!



sábado, 4 de junho de 2022

Zé Claudino, o bom malandro.

 Lembranças do Passado...

Eu estudei entre os anos de 1976 e 1979, no Colégio Santa Maria Madalena, na época; o único colégio particular da cidade; frequentado pelos estudantes de classe média da região e alguns estudantes bolsistas.

Na sétima série, chegou um novo aluno na minha sala. Era um negro baixo e gordo, muito mais velho do que a maioria dos alunos da sala por nome de José Claudino da Silva Filho, tendo o pai o mesmo nome e a sua mãe chamava-se Benedita; e que residiam na Rua Legião Brasileira (como ele mesmo dizia), quando alguém se referia ao logradouro como “atrás do mercado”. De família humilde, Zé Claudino frequentava a escola com uma bolsa doada pelo diretor, o Sr. José Correia Viana.  O pai sapateiro e mãe doméstica viviam na labuta diária com mais três filhos, sendo mais um homem e duas mulheres.

Logo se enturmou e era amigo de todos, pois sabia cativar as pessoas com o seu esplendoroso senso de humor, que fazia com que todos gostassem de ficar perto dele. No recreio, depois do lanche, os mais chegados, se reuniam em torno dele para ouvir mais um sessão de piadas e causos.  A zoeira era total! E só acabava quando tocava a sineta para voltarmos à sala de aula.

O “Negão”, como eu o chamava era muito boa gente. Gostava de aguardente e de um “baseado”, mas bem reservado. Curtia o “barato” dele sem mexer com ninguém.  Mas gostava de aprontar com os amigos.

Às sextas-feiras, à noite, nas biroscas e banca de feras ao lado do mercado municipal, várias pessoas iam comer o delicioso sarapatel, degustando uma cachaça temperada, com ervas e frutas da região.

Conta-se que certa vez um estudante de medicina, trouxe para casa, uma orelha humana para fins de estudo. Chegando em casa ,deixou os livros e foi, como de costume, comer um sarapatel e sorver algumas doses de aguardente, jogando conversa fora e, com ele levou a orelha. Aproveitando a distração, Zé Claudino retirou a orelha do bolso do acadêmico, cortou em pequenos pedaços e misturou ao sarapatel que fora servido pela proprietária do estabelecimento comercial. Todos que estavam ali comeram da inusitada iguaria, mas dessa vez reclamando que tinha alguns pedaços que não teria cozinhado direito.

Depois de muito sarapatel com cachaça, o futuro médico deu por falta da orelha e começaram a procurar enquanto o sacana do Zé Claudino, às gargalhadas dizia: Vocês comeram a orelha do defunto!

Não sei a explicação que o estudante deu ao seu mestre sobre o paradeiro da orelha, só sei que naquele dia vários dos participantes da farra, passaram a noite colocando o dedo na goela, para regurgitar a iguaria escabrosa.

Foram muitas estórias com esta em que contamos com a participação do bom malandro Zé Claudino, sobretudo porque a amizade dele perpassou os muros do colégio.

Com a família, mudou-se para Maceió. Neste período, envolveu-se com drogas e com o tráfico e depois soubemos com muito pesar do desaparecimento dele. Não sei ainda informar se encontraram o corpo para fazer um sepultamento digno

Sinto saudade do amigo Zé Claudino, o cara que era tão bem humorado que ria da sua própria situação. Da falta de dinheiro, da desordem da sua casa, do extremo nível de pobreza. Este era Zé Claudino, o bom malando.

Joaquim Maria


sábado, 21 de maio de 2022

BANHOS NO RIO MUNDAÚ

Lembranças do passado

Por Joaquim Maria





De rio caudaloso e limpo a um depósito de esgotos e detritos provenientes das casas e da agroindústria canavieira; hoje o nosso Rio Mundaú se convalesce, destinado a morrer pelo abandono e a ganância dos homens.

O rio nasce na cidade de Garanhuns no vizinho estado de Pernambuco e em Rocha Cavalcante, recebe as águas do Rio Canhoto, que banha a cidade de São José da Laje e segue seu martírio até desaguar na lagoa de mesmo nome, na nossa capital.

Tenho lembranças dos passeios, banhos e pescaria nas águas límpidas do nosso Mundaú. Nas suas margens, a mata ciliar servia de proteção. Tinha árvores nativas como a ingazeira; pois além de dá os seus frutos; uma vargem que contém uma polpa, de textura macia, envolta numa semente; branca e de uma doçura inigualável; e que também bondosamente nos cedia a sua sobra, para nos livrar dos raios mais quentes do sol.

O povo se servia das águas do nosso rio para os momentos de lazer. Nos fins de semana muitas pessoas chegavam à beira do rio. Era um verdadeiro mar na nossa cidade de tão grande que era o volume de água. Quase embaixo da ponte, próximo ao centro da cidade, tinha a pedra do jacaré; aonde a maioria das pessoas iam se banhar. Na época mais seca, os colegas jogavam bola no “areião”, ilha que se formava no meio do rio, o que era um privilégio para a garotada da Rua da Ponte e Jatobá; os maiores freqüentadores do campinho improvisado de verão. Mesmo assim, na seca; a água continuava a correr forte e veloz por toda a extensão do rio.

Tomei muitos banhos na Terra Cavada, Ilhota, Cabral, no Choque, nomes de algumas praias do nosso velho rio.
Outro fato importante era a quantidade de peixes e crustáceos que existia no Mundaú. Tinha acaris, piabas, jundiás, carás, traíras, camarões, pitus; que era uma espécie de camarão de grande porte e de casca mais resistente, sendo um dos pratos mais requisitados e caros da culinária ribeirinha. Atualmente os peixes praticamente acabaram.

Muitas famílias da nossa cidade tiravam o seu sustento das águas do grande rio, com a venda e o consumo dos peixes.

Infelizmente o Rio Mundaú está morrendo. Já não tem a mesma força de outrora.  A poluição tomou conta daquele que era o berço de vida e também de lazer para o povo palmarino.

domingo, 15 de maio de 2022

O RELAXAMENTO DO POVO E A INÉRCIA DO GOVERNO


 “Um objeto que está em repouso ficará em repouso até que uma força desequilibradora atue sobre ele” (Isaac Newton – Lei da inércia)



Professor Nivaldo Marinho.  Foto: J Marcelo.


Nasci em União dos Palmares, na fazenda gordo, sempre estudei em Escolas Públicas. Na minha infância, tive que trabalhar cedo. Vendi  picolé peguei carrego nas feiras de União, limpei jardins, aprendi lavar, passar e cozinhar, assim me cresci. 

Aprendi com meu pai que para vencer na vida honestamente, temos que trabalhar sair do estado inércia e ir à luta. Além desses valores, minha mãe me incentivou aos estudos, pois sempre acreditou e me fez acreditar na Educação como instrumento de emancipação.  Desde então, as dificuldades que enfrentamos se transformaram em desafios e motivos de luta e conquista.
Desde cedo, aprendi questionar e exigir direitos individuais e coletivos. Quando adolescente, sonhava em ser bancário, mas a “ciência” entrou em minha vida e me tornou PROFESSOR. Não me arrependi da escolha, pois como Professor Educador, me esforço para ser uma força transformadora desse sistema que está em repouso profundo há décadas. 
Muita gente me pergunta o que eu ganho em ir de encontro a  esse modelo imposto pelos  senhores feudais  que se acham reis e que ainda têm  poderes hereditários para  administrar nossa cidade como  “feudos”, monopolizando e escravizando os  analfabetos políticos e sustentando parasitas que ao longo do tempo se acostumaram  a  viver de favores e migalhas,  entrando na inércia do relaxamento e da omissão, onde o que importa é se dá  bem.  Por isso, eu não me acho superior às demais pessoas apenas tento fazer diferente, pois conquistei algo que ninguém pode tirar de mim: A sabedoria e o prazer em saber que estou fazendo a minha parte como cidadão  e que estou agindo com coerência,  verdade e justiça. 
“É a Lei da Inércia, que se aplica a nossas vidas: quando encontramos uma zona de conforto, é lá que, inertes, permanecemos. O curioso é que a maioria das pessoas nem percebe que está inerte” (Luciano Pires).
Enquanto nossos gestores administrarem nossa cidade com projetos particulares, deixando o povo em segundo plano, o abismo entre o desenvolvimento e o atraso só tende a crescer! É necessária a participação do povo, pois só assim poderemos quebrar essa corrente viciosa criada há décadas em nossa “terra da liberdade”. Foi assim com os movimentos das DIRETAS JÁ, com O FORA COLLOR, com A QUEDA DE DIVALDO SURUAGY, entre outros. Uma coisa é certa, SEM LUTA NÃO HÁ CONQUISTA Só assim poderemos transformar a inércia do atraso em desenvolvimento. Você pode até pensar que é utopia, mas eu acredito que se eu não alcançar esse desenvolvimento meus filhos com certeza alcançarão e poderão falar com orgulho: _ meu pai não foi um covarde, me ensinou a ser gente.
É preocupante ouvir alguém falar que não quer se envolver em política, porém se deixa levar por fichas sujas que compram votos e se elegem sem se quer mostrar a cara, e ainda tem eleitor que se gaba por ter “ganhado” cinqüenta reais.
Há décadas União dos Palmares vive um modelo de política onde existem apenas dois partidos: “os que mamam e os que querem mamar” Não vemos com clareza nenhum projeto de desenvolvimento, tudo parece ser feito na base do improviso. 
Estão levando a sério demais a lei de Isaac Newton, pararam no tempo, perderam a noção de futuro! Como tirar Alagoas desse caos, se não somos capazes de fazer o dever de casa?
Mas nem tudo está pedido.  A juventude de nossa cidade através de debates em rádios, internet, blogs e redes sociais têm mostrado de forma democrática um papel fundamental para o inicio das mudanças necessárias em nosso município. Um exemplo disso é o mesa Z programa da Rádio Zumbi, formado por jovens que de forma voluntária prestam um grande serviço à comunidade e o resultado já pode ser visto, pois vem mudando o comportamento e  a atuação dos vereadores da cidade com o acompanhamento das ações dos mesmos. E não tem sido diferente com o poder executivo, principalmente porque o grupo vem cobrando, questionando e levando propostas que visam o desenvolvimento de nossa  Cidade. Podemos dizer que é um exemplo de força desequilibradora que tenta tirar nosso município da inércia das forças do atraso.
Portanto, seja você também parte dessa força, ajude a colocar Nossa Cidade nos trilhos do desenvolvimento. Insira esses verbos em sua vida: LUTAR, EXIGIR E CONQUISTAR.
“A maior parte de sua vida é consumida com repetições, até que uma força desequilibradora tira você desse ciclo. Uma demissão. Uma promoção. Uma desilusão amorosa. Uma tragédia. 

Enquanto a força não surge, ficamos ali repetindo, repetindo, repetindo”. (Luciano Pires)



Nota: Artigo publicado em 29 de abril de 2012
 Professor Nivaldo Marinho. Com
 Opinião e Notícia, Sem Maquiagem!

Estou no twitter @nivaldo_mesaz
Face: Nivaldo Marinho
instagran: @nivaldo.marinho